terça-feira, 9 de julho de 2013

O MONZA VAI VOLTAR?

Donos de Monza 'comemoram' 



Braço europeu da GM, Opel revelou a frente do carro.
Internautas e clube oficial do Monza aprovaram homenagem.

Do G1, em São Paulo
85 comentários
  •  
Monza Clube (Foto: Divulgação)Monza Clube, fundado em São Paulo, tem 17 mil integrantes, segundo presidente (Foto: Divulgação)
Donos do Monza "brasileiro" aprovaram a volta do nome em um carro-conceito revelado pela  General Motors na última segunda-feira (8). O modelo é um estudo do "futuro" do design da Opel, braço europeu da montadora norte-americana, e não há garantia de que um dia chegará às lojas. Por enquanto, só a frente foi mostrada; a apresentação completa será no Salão de Frankfurt, em setembro próximo.
"Futurista", resumiu o presidente e fundador do Monza Clube, William Bertochi, de São Paulo. A associação, com 17 mil integrantes, segundo ele, realiza encontros mensais e tem membros até de outros países, como Argentina.
"Ficamos felizes com o nome voltar a ser assunto. A gente sempre se perguntou se um dia voltariam com o nome [no Brasil], como a Volkswagen fez com o Fusca", diz. "Seria um nome forte para voltar [ao mercado]. Não o mesmo carro, mas o mesmo nome."
Rubens Pacheco é dono de três Monza (Foto: Arquivo pessoal)Rubens Pacheco é dono de três Monzas
(Foto: Arquivo pessoal)
Bertochi acredita que, pelo pouco que se viu, o conceito da Opel parece ser um carro de custo mais alto, mais premium. A montadora não deu informações técnicas, mas afirmou que o Monza Concept é uma homenagem ao Opel Monza Coupé, produzido na Europa de 1978 a 1986.
Apesar da boa impressão causada pelo conceito, os donos de Monza esperam que o valor do possível futuro modelo não fique muito distante do posicionamento do antigo carro. "Achei ele bem interessante, mas só pela cara já não parece barato", explica Diego Schneider de Azevedo, de Pelotas (RS), que possui um Monza 1995.
O Monza brasileiro era baseado no carro que lá na Europa se chamava Ascona e, sob a bandeira da Chevrolet, foi sucesso aqui nas décadas de 1980 e 1990.
O fundador do clube tem um 1992 cujo dono anterior exigia um comprador que provasse que cuidaria bem do carro. Com a aquisição, nasceu o Monza Club e atualmente esta é a atividade principal de Bertochi.
Opel Monza Concept (Foto: Divulgação)Monza Concept revive o nome clássico
(Foto: Divulgação)
E o sedã é tão bem cuidado que "quase não sai da garagem", diz ele. No dia a dia, ele vai às ruas com um Vectra, curiosamente o sucessor do Monza no portfólio da Chevrolet no Brasil.
Em relação às linhas do protótipo, donos de Monza notaram um aumento na esportividade. "Achei bom. Ficou com uma cara bem mais esportiva. Mesmo assim, ele tem de manter uma conexão com o modelo antigo", opina Edson Luiz Zeballos, de Ladário (MS). Zeballos é proprietário de um Monza 2.0 1989 que já rodou cerca de 170 mil km.
3 Monzas na garagem
Outro integrante, o bancário Rubens Pacheco, também de SP, possui 3 Monzas: um 1986, um 1990 e outro 1994. O primeiro ele adquiriu depois de vender um carro zero, para comprar um imóvel. O de 1990 ele comprou para o filho, "supernovo". O terceiro foi oferecido por uma vizinha que sabia que morava perto de um fã do carro.
Monza da Gabriel Cavalcante (Foto: Gabriel Cavalcante/VC no G1)Monza de Gabriel Cavalcante, que o recebeu do pai
(Foto: Gabriel Cavalcante/VC no AutoEsporte)
No Rio de Janeiro, Gabriel Cavalcante também considera o Monza 1988 um xodó. "Era do meu pai, que me deu quando o meu carro foi roubado, quando eu passava por esse momento difícil", conta.
Foi ele quem achou o modelo para indicar ao pai. "Eu vi o carro na Região Serrana, e os carros de lá são mais bem conservados do que os daqui do litoral, por não ter maresia", explica.
Cavalcante achou o conceito Monza "lindão" e observa que "virou moda as montadoras adotarem nomes de carros que foram sucesso no passado".
Chevrolet Monza (Foto: Júnior Soares/VC no AutoEsporte)Monza de Júnior Soares: inegociável
(Foto: Júnior Soares/VC no AutoEsporte)
Depois do Escort...
Júnior Soares, de Águas de Lindóia de Goiás (GO), espera ansioso por mais detalhes do protótipo da Opel: "quero ver mais fotos, a lateral". Ele diz que estava na expectativa da volta do nome: "Um tempo atrás tinha visto o conceito do [Ford] Escort [mostrado no Salão de Xangai, em maio passado] e pensei: será q a GM vai lembrar do Monza?".
Soares também tem boas lembranças do Monza que possui, ano 1991. "Foi herança do meu pai. Não vendo de jeito nenhum."

domingo, 23 de junho de 2013

OS NOVOS BRINQUEDINHOS DE NELSON PIQUET.

Curtindo seus carros antigos, Piquet 



admite: 'Hoje a vida é mais prazerosa'

Participando das Mil Milhas Históricas, rali de regularidade para veículos até 1980, tricampeão não sente saudade da F-1: 'Foi um sonho que passou'

Por Alexander GrünwaldSão Paulo

189 comentários
Seu último GP de Fórmula 1 foi há mais de duas décadas. Desde então, as entrevistas e aparições públicas são raras. Talvez seja justamente por isso que Nelson Piquet, tricampeão mundial, continua despertando a admiração de gerações que sequer o viram correr. O espírito fanfarrão permanece o mesmo, mas a experiência de 60 anos de vida e o tempo longe do esporte que o consagrou trouxeram novas prioridades à sua rotina. Aquele piloto que sempre demonstrou uma personalidade forte nos paddocks de todo o mundo atualmente aparenta a serenidade de um sujeito que sabe curtir a vida. Não que antes não soubesse, é bom frisar. Só mudou a maneira de fazer isso.
O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet sentado em seu Mustang nas Mil Milhas Históricas (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet sentado em um Mustang, um dos cinco carros de sua coleção inscritos nas Mil Milhas Históricas (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)
Um dos xodós de Nelson é sua coleção de carros antigos. Dono de uma verdadeira frota composta por modelos clássicos de montadoras como Cadillac, Mustang, Jaguar, Rolls Royce, Puma, Ford, entre outras, o ex-piloto volta às origens quando está entre eles. Afinal, foi trabalhando como mecânico em Brasília, na década de 1970, que ele conseguiu seu primeiro dinheiro e começou a ser suficientemente independente para realizar o sonho de competir nas corridas da época. A primeira vez em um box de Fórmula 1 também foi sujando as mãos de graxa, limpando as rodas da Brabham de Carlos Reutemann. Poucos anos depois, era ele que estava no cockpit de um carro da equipe, derrotando o argentino, já piloto da Williams, na disputa pelo título mundial de 1981.
- O problema é que a gente fica velho. Eu coleciono os carros que a gente admirava na época, nos anos 1970, 1950. Os carros pelos quais a gente sentia aquela vontade de ter um. E agora, com a possibilidade de ter, a gente compra, recupera os carros, deixa o carro em ponto de bala – conta Piquet, que restaura e trata suas jóias com todo carinho.
O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet e a esposa, companheira nas Mil Milhas Históricas (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)A esposa é a companheira de viagem do tricampeão (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)
Colocar estes carros na estrada, aliás, foi o que motivou o tricampeão mundial a deixar sua casa em Brasília durante esta semana. Participando da terceira edição das Mil Milhas Históricas Brasileiras, um rali de regularidade para veículos antigos que vai de quarta a domingo, Nelson se diverte com alguns amigos de sua cidade.
Curtição entre amigos em seus 'carros vivos'
Para a competição, que aceita carros fabricados entre 1919 e 1980, Piquet inscreveu um Jaguar 1970, com motor de seis cilindros. E ainda “emprestou” outro Jaguar, um Mustang e dois Corvettes para sua divertida caravana. Apesar da contagem de pontos nos postos de controle ao longo dos cerca de 1.600 km, ele diz que se encaixa na “categoria turista”, aproveitando as paisagens e a viagem ao lado da esposa, sem se importar minimamente com a pontuação na prova.
O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet com seus amigos de Brasília: diversão nas Mil Milhas Históricas (Foto: Vera Lambiasi / divulgação)Nelson com seus amigos de Brasília: diversão nas Mil Milhas Históricas (Foto: Vera Lambiasi / divulgação)
- O rali tem uma competição, nós é que participamos como turistas. É uma bela viagem para a gente, um grupo de amigos de Brasília que vai mesmo para se divertir. Meus carros antigos são carros vivos. Eu dirijo todo dia um diferente e os cinco carros que estão aqui são nossos. É uma curtição – ressalta Nelson, que no ano passado também inscreveu um Jaguar, mas um modelo com motor V12.
Em meio às conversas antes da largada e nas paradas programadas do rali, o que não falta é bom humor. Os amigos entregam: a paixão é tanta que é o próprio tricampeão quem cuida da limpeza e da manutenção dos carros, que devem preservar ao menos 90% da originalidade.
O próprio tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet cuida de seus carros nas Mil Milhas Históricas (Foto: Almyr Barros Jr / acervo pessoal)O próprio tricampeão de Fórmula 1 cuida de seus carros (Foto: Almyr Barros Jr / acervo pessoal)
- Ele é o nosso mecânico. A gente só fica com a parte boa, que é dirigir e aproveitar a paisagem – diz Almyr Barros, um dos companheiros da comitiva que partiu de São Paulo e tem no roteiro os municípios de Mogi Guaçu e Águas de Lindóia, no interior paulista, além de cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais que faziam parte da famosa Estrada Real.
Aos 60, a irreverência de sempre
Posando para uma foto com uma dupla de portugueses inscrita na competição com um Fusca, ele recebe elogios do navegador pela antológica ultrapassagem que valeu a liderança (e a consequente vitória) no GP da Hungria de 1986, considerada por muitos especialistas “a ultrapassagem do século”. E dá risada ao perceber que o fã lusitano não lembra quem foi o ultrapassado – um certo Ayrton Senna.
O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet e a dupla portuguesa nas Mil Milhas Históricas (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)Nelson e a dupla portuguesa nas Mil Milhas Históricas (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)
Em tempo: a língua afiada que fez a dor e a delícia de muitos jornalistas de sua geração continua soltando suas pérolas. Feito um menino travesso, Nelson admira sua coleção de automóveis, grande parte com capotas reversíveis, e repete sem parar:
- Devo ter sido muito chifrado quando era garoto, porque adoro carro conversível! – diz, para se desmanchar em uma sonora gargalhada em seguida.
O tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet em seu Jaguar nas Mil Milhas Históricas (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)O Jaguar 1970 conversível foi o escolhido para a viagem (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)
O ritmo mais tranquilo e contemplativo de suas viagens ao volante de carros clássicos contrasta com a vida corrida e a tensão dos tempos de Fórmula 1, natural para qualquer competidor de seu nível. Na categoria máxima do automobilismo, Piquet correu por 14 temporadas, entre 1978 e 1991, e conquistou 23 vitórias, 24 poles, 23 melhores voltas e 60 pódios. Além, é claro, de três títulos mundiais. Questionado se sente falta da F-1, ele suspira e responde com a franqueza que lhe é peculiar.
- Realmente é uma página virada. Foi um sonho que passou. Hoje, felizmente, minha vida é muito mais prazerosa do que foi no passado. Sem muita competição, sem nada, só colhendo os frutos de tudo o que aconteceu no passado – afirma, pouco antes de entrar no carro e pegar a estrada.
MOsaico Nelson piquet MIl milhas históricas (Foto: Alexander Grünwald)Tricampeão mundial de Fórmula 1 se diverte com os amigos em sua caravana composta por modelos Jaguar, Corvette e Mustang (Fotos: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM)
MOsaico Nelson piquet MIl milhas históricas (Foto: Alexander Grünwald)Modelos de diversas montadoras, fabricados entre 1919 e 1980, podem participar das Mil Milhas Históricas Brasileiras (Foto: Alexander Grünwald / GLOBOESPORTE.COM e Vera Lambiasi / divulgação)

terça-feira, 11 de junho de 2013

QUANTO CUSTA

Vamos conhecer as casas de alguns carros de luxo espalhados pelo mundo.
carros de luxo e as suas casas 001 Carros de luxo e as suas casas
Certamente, muitas pessoas gostariam de ter um carro de luxo mas também é necessário ter o espaço para ele, pois não é em qualquer lugar que estes carros poderão ficar.
carros de luxo e as suas casas 002 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 003 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 004 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 005 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 006 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 007 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 008 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 009 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 010 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 011 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 012 Carros de luxo e as suas casas
carros de luxo e as suas casas 013 Carros de luxo e as suas casas

EU QUERO ESSE CAMARO

Eu começo essa postagem pedindo desculpas aos proprietários de Camaros normais ou melhor dizendo automáticos,sei que vocês sentem falta daquela passagem de marcha mas pra  nossa alegria eu mostro á todos uma versão bem amarga sem doçura alguma se é que vocês me entenderam.

O Camaro SS das fotos trata-se de uma versão americana de câmbio manual na cor laranja com um V8 de 430cv que  me fez mudar de idéia sobre os Camaros a sua aceleração é algo assustador deu medo até em mim que sou um apaixonado por velocidade é muito viseral você sente toda a sua força no seu corpo.Eu posso dizer que dá pra sentir todos os 430cv pedindo para serem usados sem dó,tive até a oportunidade em dirigi-lo rapidamente em um quarteirão e pude ouvir o belo som do V8 rosnando alto, acho que vocês irão perceber alguns detalhes interessantes nele como o farol com angel eyes,painel  e também o emblema dos Autobots do filme Transformers que fez essa nova versão do Camaro ser um grande sucesso de vendas em vários países do mundo.

E vamos dá uma parada  nessa conversa e espero que todos gostem das fotos e agradeço também ao proprietário do Camaro que sempre faz convites para fotografar os bólidos da cidade,fiquem com Deus e até a próxima postagem.